Desmatamento no Brasil

O termo desmatamento é também conhecido como desflorestamento. No Brasil teve início com a chegada dos portugueses ao nosso país, no ano de 1500. Eles foram desmatando o pau-brasil e enviando à Europa. Os povos lusitanos deram início na exploração pela a Mata Atlântica. A madeira do pau-brasil era utilizada para a construção de móveis e instrumentos musicais e sua seiva colorida era utilizada para tingir tecidos.

Desmatamento no Brasil
Foto: Reprodução

Desmatamento constante em outras regiões do Brasil

Desde tempos passados, o desmatamento no Brasil se tornou uma constante. Depois da Mata Atlântica foi a vez da Floresta Amazônica de sofrer com a derrubada ilegal de árvores. Em busca de madeiras como o mogno, por exemplo, várias madeireiras se instalaram na região para realizar a prática ilegal de exploração.

Um relatório divulgado pela WWF, uma ONG que se dedica a proteção do meio ambiente, informou no ano de 2000, que o desmatamento na Amazônia já atingia 13% de sua cobertura original. Uma pesquisa realizada pela revista Science, publicada em 2012, informou que no ano de 2050, poderá ocorrer cerca de 80% de extinção das espécies animais (anfíbios, mamíferos e aves) em áreas que sofrem com o desmatamento. Na Mata Atlântica, atualmente, existe apenas 9% de sua cobertura original do ano de 1500. Várias espécies de animais e vegetais já foram extintas.

Vale lembrar que o desmatamento no Brasil não é um problema apenas focado na Amazônia e na Mata Atlântica, ele ocorre nos quatro cantos do país. Muitos fazendeiros derrubam quilômetros de árvores para o plantio, são as chamadas frentes agrícolas. O desmatamento em determinada região pode provocar o processo de desertificação, isto é, a formação de desertos e regiões áridas, situação está que já vem ocorrendo no sertão nordestino e no cerrado de Tocantins nas últimas décadas.

Crescimento das cidades e diminuição das florestas

O crescimento das cidades também traz a diminuição de áreas verdes, além do crescimento das indústrias, construções de condomínios, polos industriais e rodovias, que provocam a derrubada de grandes áreas florestais.

Queimadas e incêndios em regiões florestais

As queimadas e incêndios são outro grande problema de regiões com área verde. Fazendeiros provocam incêndios para ampliar as áreas para a criação de gado ou para o cultivo. Alguns motoristas também provocam incêndios por pura irresponsabilidade, através de pontas de cigarros jogadas nas beiras das rodovias.

Desmatamento no mundo

O problema do desmatamento não é exclusivo do Brasil. No mundo inteiro o desmatamento ocorreu e ainda está ocorrendo. Em países asiáticos como a China, quase toda a sua cobertura vegetal foi explorada, outros países como Estados Unidos e Rússia, também destruíram suas florestas com o passar do tempo.

O que fazer contra o desmatamento?

Apesar de o problema ser recorrente, ao longo dos anos houve uma diminuição significativa em comparação ao passado, a consciência ambiental das pessoas está alertando para a necessidade de uma preservação ambiental. Legislações mais rígidas estão sendo desenvolvidas em prol do meio ambiente e uma fiscalização mais atuante está ocorrendo para combater os crimes ambientais.

As matas e florestas são de extrema importância para o equilíbrio ecológico e bom funcionamento climático do planeta Terra. Espera-se que cada vez mais o ser humano tome consciência destes problemas e comece a perceber que antes de seus interesses financeiros individuais, está a vida de um planeta inteiro e o futuro de novas gerações depende deste bom funcionamento.

Mata de araucárias – Vegetação, características e extinção

A mata de araucárias é encontrada na região Sul do Brasil e onde se encontra relevos mais elevados na Região Sudeste. É conhecida também como Pinheiro do Paraná (Araucaria angustifólia), e encontra-se ameaçada de extinção. Os dados atuais são alarmantes, apenas 1,2% de sua cobertura original encontra-se preservada, e apenas 0,22%, está sob a proteção de Unidades de Conservação (UC), mostrando assim os riscos que a vegetação corre atualmente.

Mata de araucárias - Vegetação, características e extinção
Foto: Reprodução

Mata de araucárias pelo mundo

Existem dezenove espécies de araucárias, das quais treze são endêmicas (existem em lugar específico). Essas são encontradas na Ilha Norfolk, Nova Guiné, Argentina, sudeste da Austrália, Chile e no Brasil também.

A vegetação se desenvolve apenas em regiões nas quais se predomina o clima subtropical, isto é, apresentando invernos rigorosos e verões quentes. Os índices pluviométricos são relativamente altos, porém, devem ser bem distribuídos durante o ano.

Características

Essas árvores, araucárias, possuem altitudes que podem variar entre 25 a 50 metros de altura, e troncos com até 2 metros de espessura. Suas sementes são conhecidas como pinhão, podem ser ingeridas, e os galhos da árvore envolvem todo o tronco central. Um dos fatores mais importantes para o desenvolvimento dessa planta é que seu habitat deve ser mantido através de clima e relevo apropriado. No Brasil existe uma festa chamada de Festa do Pinhão, localizada na cidade de Lages, Santa Catarina. Um dos motivos que contribui para o desaparecimento desta espécie, é que suas sementes são comestíveis.

As araucárias são encontradas em regiões de solo muito fértil, conhecido como “terra-roxa”, um solo de origem vulcânica e altamente produtivo, presente em uma pequena parcela (1%) do território nacional, fazendo com que a vegetação fosse suprida para o plantio de monoculturas e pastoreio. A planta pertence à família das Coníferas (plantas gimnospermas), isto é, não produzem fruto, está por si só é a espécie que atinge maior longevidade entre todas as outras espécies de plantas.

Outra característica das araucárias é que são restritas de flores, tendo em vista as baixas temperaturas que enfrentam no inverno, além disso, sua composição paisagística consiste principalmente pelo espaçamento entre as árvores e por florestas ralas.

Temperatura

Temperatura é a medida estatística do nível de agitação entre moléculas, relacionado com o deslocamento da energia cinética de um átomo ou molécula. No campo da física, a temperatura está relacionada diretamente com a energia interna de um sistema termodinâmico.

As escalas termométricas são mecanismos utilizados para medir a temperatura dos corpos. A temperatura de um corpo se eleva conforme se aumenta a velocidade de movimento das partículas presentes no mesmo, está alteração é o que chamamos de temperatura. As escalas termométricas surgiram da necessidade de registrar e quantificar o quanto um corpo está quente ou frio.

Escalas termométricas

Atualmente as três escalas termométricas mais utilizadas são: Celsius (°C), Fahrenheit (°F) e a Kelvin (K). Cada escala adota pontos fixos diferentes, por exemplo, a Celsius é muito utilizada na maioria dos países, a Fahrenheit é mais utilizada na Europa, e a Kelvin é uma escala absoluta, sendo destinada ao uso técnico e científico.

Escala Celsius: é a escala utilizada no Brasil, e na maioria dos outros países, foi oficializada em 1742 pelo astrônomo e físico sueco Anders Celsius, esta escala tem como pontos de referência a temperatura de congelamento da água sob pressão normal (0°C) e a temperatura de ebulição da água sob pressão normal (100°C).

Escala Fahrenheit: escala muito utilizada em países de língua inglesa, foi criada em 1708 pelo físico alemão Daniel Gabriel Fahrenheit, tendo como referência a temperatura de uma mistura de gelo e cloreto de amônia (0°F) e a temperatura do corpo humano (100°F).

Escala Kelvin: Conhecida como escala absoluta, desenvolvida pelo físico inglês William Thompson (1824-1907), conhecido como Lorde Kelvin, a escala tem como referência a temperatura do menor estado de agitação de qualquer molécula (0k) e é calculada a partir da escala Celsius. Na escala kelvin lê-se zero Kelvin (0K), e não zero grau Kelvin.

Temperatura
Foto: Reprodução

No quadro acima podemos verificar que o ponto de fusão é diferente nas três escalas, isto é, Celsius (0°C), Fahrenheit (32°F) e Kelvin (273k). O mesmo ocorre em relação ao ponto de ebulição entre as três escalas, sendo, Celsius (100°C), Fahrenheit (212°F) e Kelvin (373k).

Algumas temperaturas

Escala Celsius Escala Fahrenheit Escala Kelvin
Ar liquefeito -39 -38,2 243
Maior temperatura na superfície da Terra 58 136 331
Menor temperatura na superfície da Terra -89 -128 184
Ponto de combustão da madeira 250 482 523
Ponto de combustão do papel 184 363 257
Ponto de fusão do ferro 1535 2795 1808
Ponto de fusão do gelo 0 32 273,15

Poluição do ar

Com o início da Revolução Industrial, na metade do século XVIII, na Inglaterra, a poluição do ar aumentou significativamente. A queima do carvão mineral (principal fonte de energia da época) jogava na atmosfera da Europa, toneladas de gases poluentes, dando início a convivência do ser humano com o ar poluído e todos os danos e prejuízos advindos desta mudança tecnológica.

Atualmente todas as grandes cidades do planeta Terra, sofrem com os efeitos da poluição do ar, entre elas, as principais são as cidades como São Paulo, Tóquio, Nova Iorque e Cidade do México.

Poluição do ar
Foto: Reprodução

Principais problemas de saúde gerados pela poluição do ar

A saúde do ser humano é a mais afetada com os altos índices de poluição no ar. Doenças respiratórias como: bronquite, rinite alérgica, alergias, asma, irritação na pele, lacrimação exagerada, infecção nos olhos, ardência mucosa da garganta e processos inflamatórios no sistema circulatório, são alguns dos problemas mais comuns que levam pessoas aos hospitais todos os anos.

Em dias secos e com a poluição do ar em alta, é recomendado beber muita água, e evitar atividades físicas ao ar livre, outra dica é utilizar o umidificar dentro de casa.

Poluição do ar prejudica o ecossistema e o patrimônio histórico

A chuva ácida é fruto desta poluição do ar, matando plantas, animais e corroendo até mesmo monumentos históricos criados pelo homem, como é o caso da Acrópole de Atenas que teve que passar por um processo de restauração, tendo em vista que a construção sofreu com a poluição.

O clima também é afetado pela poluição do ar, através do fenômeno do efeito estufa que está aumenta a temperatura do planeta Terra, isto é, os gases poluentes formam uma camada de poluição na atmosfera, impedindo a dissipação do calor, provocando mudança climáticas.

Alguns pesquisadores afirmam que futuramente o planeta Terra passará por elevado nível de água nos oceanos, que irá provocar alagamento de ilhas e cidades litorâneas, espécies de animais poderão ser extintas e ainda irá ocorrer o aumento de maremotos e tufões.

Soluções para o problema da poluição

Com tantos problemas causados pela poluição do ar, atualmente vários países têm desenvolvido tecnologias no sentido de gerar máquinas e combustíveis menos poluentes ou que não gerem poluição alguma. Automóveis movidos a gás natural, são um exemplo, testes com hidrogênio tem mostrado que futuramente, os carros poderão se locomover com combustível que lança apenas vapor de água na atmosfera.

Atualmente veículos saem de fábrica com filtros especiais, reduzindo a poluição do ar, através dos catalizadores. Os catalizadores convertem hidrocarbonetos, monóxido de carbono e óxido de nitrogênio dos gases do escapamento do veículo em dióxido de carbono, nitrogênio e vapor de água.

Art Decó

Art Decó é um movimento artístico que surgiu na Europa na década de 1920, com caráter decorativo, influenciando na arquitetura, design de interiores, desenho industrial, artes visuais, moda, pintura, artes gráficas e até mesmo no cinema. Atingiu os Estados Unidos e outros países apenas na década de 1930.

O movimento de design possuía raízes em intenções ligadas a filosofia e a política, porém, passou um tanto despercebido se tornando uma mudança dentro da decoração, visto de uma forma elegante, funcional e ultramoderno para o seu tempo.

O nome Art Decó é uma abreviação de uma expressão francesa (arts décoratifs), que significa arte decorativa.

Art Decó
Foto: Reprodução

História

Em 1925, em Paris, ocorreu o que podemos chamar de auge da Art Decó, na Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas. Em um primeiro momento o movimento da Art Decó era visto como um estilo mais luxuoso, com o uso de materiais como o marfim e a jade, neste período a Art Decó ficou muito ligada aos anseios artísticos da burguesia europeia.

No final da década de 1920 o movimento passou a ganhar força nos Estados Unidos, partindo para o caminho do design industrial, utilizando de novos materiais para a produção em larga escala, e assim invadindo a vida cotidiana da população em geral.

O movimento da Art Decó representou adaptação da sociedade em um modo geral, criando design para edifícios. Esculturas, joias, iluminarias e moveis, todos geometrizados. Neste período o movimento abusava de bases simples, porém, trazendo um ar de modernidade, com concreto (betão), armado e compensado de madeira, e em alguns casos ganhando ornamentos em bronze, mármore e prata.

Características

  • Linhas circulares ou retas estilizadas;
  • O uso exagerado de formas geométricas;
  • Design abstrato;
  • Formas femininas e de animais são muito utilizadas;
  • Influência do futurismo, cubismo e do construtivismo no design;
  • Influência forte na arquitetura.

Art Decó e sua influência no Brasil

O Brasil foi influenciado pelo movimento no final da década de 1920, principalmente em sua arquitetura, várias construções podem ser encontradas com o design Art Decó, como por exemplo: o Elevador Lacerda em Salvador, o Teatro Carlos Gomes e a Central do Brasil, localizados no Rio de Janeiro, o Viaduto de Chá e o Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Um dos nomes mais importantes dentro do Modernismo no Brasil, foi o do escultor Victor Brecheret, sendo o artista que mais recebeu influência da Art Decó.

Artistas importantes no mundo

  • Ernst Ludwig Kirchner – pintor alemão;
  • Fritz Bleyl – designer alemão;
  • Sonia Delaunay – estilista francesa;
  • René Lalique – escultor francês;
  • William Van Alen – arquiteto norte americano.

Guerra do Peloponeso

A Guerra do Peloponeso foi um conflito militar entre as cidades de Atenas e Esparta, isso em meados do século V, mais precisamente entre os anos de 431 e 404 a.C. Toda história da guerra foi relatada por dois historiadores da Grécia Antiga, Xenofonte e Tucídides.

Guerra do Peloponeso
Foto: Reprodução

História

Atenas era a principal cidade-estado da Grécia, e possuía a liderança da Liga de Delos (dominadores do poder marítimo). Esparta também era uma grande cidade-estado da Grécia, liderava outra confederação, chamada de Peloponeso (um exército imbatível). Durante este período Atenas se destacou em seu crescimento econômico e aumento da influência política, despertando certa desconfiança dos espartanos.

A relação entre as duas cidades-estados era tensa, uma das cidades de Esparta, chamada de Corinto, a pressionava para atacar Atenas e iniciar uma guerra. A cidade de Tebas, uma aliada de Esparta decide atacar a cidade de Platéia uma das aliadas de Atenas, dando início a guerra do Peloponeso, que durou cerca de 27 anos.

O combate ocorreu porque Atenas enfrentou problemas comerciais com a cidade de Corinto. Após anos de batalha Esparta saiu vitoriosa da guerra, tornando-se a grande cidade-estado da Grécia, desfazendo a única via possível para a unificação política, cultural do mundo grego, afetando rudemente com a devolução aos persas das cidades da Ásia Menor em troca de seu ouro.

A Guerra do Peloponeso foi recheada de grandes estratégias e altos investimentos, é popularmente conhecida também como Guerra Mundial da Antiga Grécia. A Guerra foi marcada através de três períodos sendo eles:

  • Primeiro período de 431 a 421 a.C.
  • Segundo período de 415 a 413 a.C.
  • Terceiro período de 412 a 404 a.C.

Consequências

Os conflitos chegaram ao fim em 404 a.C., os espartanos conquistaram Helesponto e Atenas se rendeu. Os espartanos deram suporte a um golpe oligárquico em Atenas. Derrubando seu sistema democrático e implantando um sistema de governo autoritário, chamado de Tirania dos Trinta, um sistema voltado para o fortalecimento militar.

Essa guerra teve grandes blocos de Estados envolvidos, várias áreas de combate, com estratégias definidas e dependendo sempre das decisões de Esparta e Atenas, uma cidade possuía forte potência terrestre e a outra, poderosa potência naval, detentora de um império financeiro e comercial.

Principais líderes

Liga de Delos – Arquídamo II, Lisandro e Brásidas.

Liga do Peloponeso – Péricles, Cléon, Nícias, Alcibíades e Demóstenes.

Regência nominal

Regência nominal é a parte da gramática que estuda a relação sintática que se dá entre os nomes e os respectivos termos regidos por esse nome, isto é, o nome da relação entre um substantivo, adjetivo ou advérbio transitivo e seu respectivo complemento nominal. Toda esta relação é intermediada por uma preposição. Dentro do estudo da regência nominal é importante saber que diversos nomes apresentam exatamente o mesmo regime dos verbos de que derivam.

Regência nominal
Foto: Reprodução

Neste caso é importante conhecer o regime de um verbo, que significa conhecer o regime dos nomes cognatos, como no exemplo abaixo.

Obedecer a algo/ a alguém.

Obediente a algo/ a alguém.

Nos exemplos abaixo de substantivos, adjetivos e advérbios vamos verificar diversos nomes acompanhados da preposição ou preposições que os regem, observando-os é importante procurar, sempre que possível, associar esses nomes entre si ou a algum verbo cuja a regência você conheça.

Substantivos

  • Admiração a, por
  • Aversão a, para, por
  • Atentado a, contra
  • Bacharel em
  • Capacidade de, para
  • Devoção a, para, com, por
  • Doutor em
  • Dúvida acerca de, em, sobre
  • Horror a
  • Impaciência com
  • Medo de
  • Obediência a
  • Ojeriza a, por
  • Proeminência sobre
  • Respeito a, com, para com, por

Adjetivos

  • Acessível a
  • Acostumado a, com
  • Agradável a
  • Alheio a, de
  • Análogo a
  • Ansioso de, para, por
  • Apto a, para
  • Ávido de
  • Benéfico a
  • Capaz de, para
  • Compatível com
  • Contemporâneo a, de
  • Contíguo a
  • Contrário a
  • Descontente com
  • Desejoso de
  • Diferente de
  • Equivalente a
  • Escasso de
  • Essencial a, para
  • Fácil de
  • Fanático por
  • Favorável a
  • Generoso com
  • Grato a, por
  • Hábil em
  • Habituado a
  • Idêntico a
  • Impróprio para
  • Indeciso em
  • Insensível a
  • Liberal com
  • Natural de
  • Necessário a
  • Nocivo a
  • Paralelo a
  • Passível de
  • Preferível a
  • Prejudicial a
  • Prestes a
  • Propício a
  • Próximo a
  • Relacionado com
  • Relativo a
  • Satisfeito com, de, em, por
  • Semelhante a
  • Sensível a
  • Sito em
  • Suspeito de
  • Vazio de

Advérbios

  • Longe de
  • Perto de

Estrutura de oração

(Sujeito) (Verbo) (Objeto) (Preposição) (Complemento nominal)

Exemplos:

“O pior é a demora do vapor.” (Complemento nominal de substantivo)

“Tinha nojo de si mesma.” (Complemento nominal de pronome)

Regência nominal como fenômeno linguístico

De um modo geral, tanto a regência nominal quanto a regência verbal (relação sintática de dependência que se estabelece entre o verbo, termo regente e seu complemento), são desprezadas no padrão de normas da linguagem escrita. Na linguagem culta passam despercebidas em meio a outros temas, podendo até mesmo em alguns casos serem desconsideradas por alguns gramáticos.

Teorema de Tales

O teorema de tales foi desenvolvido por Tales de Mileto, que foi um filósofo, astrónomo e matemático grego muito importante, que viveu antes de Cristo, no século VI. É conhecido como o pai da geometria descritiva, contribuindo não somente neste campo, mas em outras extensões da matemática.

Utilizando seus conhecimentos em geometria e proporcionalidade, conseguiu determinar a altura de uma pirâmide, Tales também observou que os raios solares que chegavam ao planeta Terra estavam em posição inclinada e paralela, e com base nisso, descobriu que havia uma proporcionalidade entre as medidas da sombra e da altura dos objetos. Observando a natureza descobriu uma situação de proporcionalidade que relaciona as retas paralelas e as transversais.

Segmentos proporcionais

Segmentos proporcionais são retas paralelas cortadas por retas transversais, isto é, as retas a, b e c são paralelas, e as retas r e r’ são transversais, conforme a imagem a baixo:

Segmentos proporcionais
Foto: Reprodução

De acordo com o Teorema de Tales, verificamos as seguintes proporcionalidades:

Segmentos proporcionais

Nesta relação estabelecida acima podemos notar que envolve noções de razão e proporção, o segmento AB está para o segmento BC, assim como o segmento A’B’ está para o segmento B’C’. Desta forma percebemos a igualdade entre as duas razões que formam uma proporção, o cálculo dessa proporção será resolvido através de uma multiplicação cruzada, isto é, o produto dos meios é igual ao produto dos extremos.

Aplicando o Teorema de Tales:

1° exemplo: vamos encontrar o valor de x (o segmento desconhecido):

Teorema de Tales
Foto: Reprodução

Teorema de Tales

2° exemplo: vamos determinar o valor de x na figura a seguir:

Teorema de Tales
Foto: Reprodução

Teorema de Tales

3° exemplo: vamos aplicar a proporcionalidade existente no Teorema de Tales, e com isso determinar o valor dos seguimentos AB e BC no desenho abaixo:

Teorema de Tales
Foto: Reprodução

Neste caso, encontramos os seguintes dados:

AB = 2X – 3

BC = X + 2

A’B’ = 5

B’C’ = 6

Agora vamos encontrar o valor de x:

Teorema de Tales

Podemos concluir que o Teorema de Tales possui várias formas de aplicação, nas mais variadas situações, envolvendo cálculos de distâncias inacessíveis e até mesmo aplicabilidade em questões relacionadas à Astronomia.

Ecossistemas de água doce

Os ecossistemas de água doce são compostos por rios, lagos, lagoas, geleiras e recursos hídricos subterrâneos que são chamados de lençóis freáticos e reservatórios subterrâneos, muito comum em lugares como na América do Sul e também em ecossistemas marítimos e costeiros, como por exemplo, em manguezais e restingas, e nas áreas costeiras de mares e oceanos.

Cada tipo de ecossistema aquático possui um corpo de biótopo de água, tais como mares, oceanos, rios, lagos, pântanos, entre outros. Os principais ecossistemas aquáticos são os marinhos e os de água doce.

Ecossistemas de água doce
Foto: Reprodução

Importância ecológica dos ecossistemas de água doce

As variações e regularidades das águas do rio são muito importantes para as plantas, animais e seres humanos que vivem ao longo de seu curso, a fauna dos rios é de anfíbios, peixes e uma variedade de invertebrados aquáticos.

Rios e suas planícies de inundação sustentam ecossistemas diversos, não apenas pela quantidade de água doce para suportar a vida, mas também pela quantidade de plantas e insetos que mantém e formam a base das cadeias alimentares.

Ecossistema de água doce e suas divisões

O ecossistema de água doce é dividido em ecossistemas lênticos, lóticos e zonas úmidas.

Lênticos: neste ecossistema a água é de baixo fluxo ou até mesmo parada, como é o caso de lagos, poças e reservatórios. Podem ser em água salina, doce, em ambiente continental ou costeiro. Do ponto de vista geográfico são formações consideradas recentes.

Lóticos: é o ecossistema de água em rios, córregos e riachos, com águas correntes, são transportadas as descargas da água superficial. Transportam substâncias cinéticas levando-as para o mar, deslocam também material insolúvel, sob a forma de erosão e no curso inferior sob a forma de sedimentação.

Zonas úmidas: áreas em que o solo está saturado com água, ou ainda regiões em que o solo fica inundado durante parte do ano.

Impactos nos ecossistemas de água doce

Atualmente os ecossistemas de água doce são considerados os meios de vida natural mais ameaçados do planeta, embora ocupem apenas 1% da superfície terrestre. Os ecossistemas de água doce abrigam cerca de 40% das espécies de peixes e 12% dos demais animais.

Os ecossistemas de água doce são fortemente afetados quando ocorre uma quantidade menor de chuvas durante os períodos de seca, refletindo o prejuízo diretamente na população humana que depende desses recursos. Um impacto que cause a redução das chuvas e a mudança no processo de entrada de nutrientes nos ingarapés e rios, poderia afetar rapidamente os organismos aquáticos.

Mudanças climáticas na Amazônia afetariam diretamente os peixes, que teriam que aprender a lidar com temperaturas elevadas e condições ambientais potencialmente letais.

Trabalhos com drenagem, construções de barragens, e a poluição agrícola, urbana e industrial estão colocando em risco o equilíbrio ambiental nos estuários e mangues, quando se sabe que a vida das espécies marinhas depende de 70% desses locais, onde têm seus habitat e se reproduzem.

ONU – Organização das Nações Unidas

Fundada no dia 24 de outubro do ano de 1945 em São Francisco nos Estados Unidos, a ONU é a maior organização internacional, sendo constituída de governos de muitos países do mundo. Foi fundada logo após a Segunda Guerra Mundial e, inicialmente, contava com 51 países participantes e buscava formas de, com um grande clima pós-guerra que abatia o mundo, manter a paz mundial e evitar novos conflitos armados. A organização conta com várias organizações subsidiárias para realizar suas missões com sucesso. Atualmente conta com 193 países, mas apenas cinco deles fazem parte do Conselho de Segurança e têm poder de veto em qualquer resolução da ONU: Estados Unidos, China, Rússia, Reino Unido e França.

ONU – Organização das Nações Unidas
Foto: Reprodução

História

A ONU surgiu, como citado anteriormente, depois da Segunda Guerra Mundial. Winston Churchill foi o primeiro a usar o termo Nações Unidas em 1 de janeiro de 1942, quando 26 governos assinaram a Carta do Atlântico e comprometeram-se a continuar esforçando-se contra a guerra. Oficialmente, a ONU foi fundada em 24 de outubro de 1945 quando houve a ratificação da Carta dos 5 membros permanentes do Conselho de Segurança, além da maioria dos outros 46.

Níveis básicos

Dentro da ONU, existem dois níveis básicos de decisões que são a Assembleia Geral e o Conselho de Segurança. Todos os membros participam da Assembleia e, em comum acordo – com a maioria – uma decisão é tomada; já o Conselho de Segurança, como citado no primeiro tópico, é formado por cinco países que possuem o poder de veto.

Objetivos

Com a sede principal localizada em Nova Iorque, a ONU passa constantemente por reuniões onde são definidas por seus representantes as leis e projetos que envolvem temas políticos, diplomáticos e administrativos internacionais. Dividida em vários organismos administrativos, como a Corte Internacional de Justiça, o Conselho Econômico e Social, Assembleia Geral, entre outros, seus principais objetivos envolvem, de acordo com a Carta das Nações Unidas:

  • Defesa dos direitos fundamentais do ser humano;
  • Garantir a paz mundial, colocando-se contra qualquer tipo de conflito armado;
  • Busca de mecanismos que promovam o progresso social das nações;
  • Criar condições que mantenham a justiça e o direito internacional.

Curiosidades

O Dia da ONU é comemorado no dia 24 de outubro, e celebra a instituição que é mantida por contribuições financeiras dos países que a compõe. Entre os que mais colaboram, estão os Estados Unidos, Japão, Alemanha, Reino Unido, França, Itália e Canadá. Além disso, a ONU possui algumas línguas oficiais dentre as que os países que a compõe falam: inglês, francês, russo, mandarim, espanhol e árabe.