Behaviorismo filosófico

O behaviorismo vem da palavra inglesa behavior, que significa comportamento ou conduta. O behaviorismo é um termo mais genérico, o qual agrupa várias correntes, algumas até contraditórias, de pensamento na psicologia que possuem como elemento fundamental o comportamento.

O Behaviorismo filosófico, conhecido também como Behaviorismo Lógico ou Behaviorismo Analítico é uma teoria analítica que estuda o sentido e a semântica dos conceitos e das estruturas cognitivas.

A fundamentação

O Behaviorismo é uma linha filosófica que se fundamenta principalmente nos estudos de Wittgenstein e de Ryle. Estes defendem que a concepção de estado mental ou disposição mental é, na verdade, a concepção de disposição comportamental ou tendências comportamentais. Sendo assim, eles relacionam de forma direta o pensar e o agir, e estabelecem esse vínculo entre o mental e o comportamental.

Quando tentamos definir o que significa um estado mental, é realizada uma descrição de comportamentos, ou de modelos de comportamento. Deste modo, o Behaviorismo filosófico, consequentemente, analisa os estados mentais intencionais e os estados mentais representativos.

A partir do momento que atribuímos estados, processos ou eventos mentais a pessoas, estamos fazendo afirmações acerca do seu comportamento concreto ou das suas disposições comportamentais. A relação que existe entre os processos significativos e os comportamentos contesta o dualismo típico da modernidade.

Behaviorismo filosófico
Foto: Reprodução

As proposições básicas

O pensamento do Behaviorismo filosófico é baseado em cinco proposições, são elas:

  • “Eu tenho dores” e “ele tem dores” são valores da mesma função proposicional “y tem dores”.
  • A minha identificação das minhas experiências interiores (sejam boas ou ruins) é feita de modo direto e imediato, ou seja, eu possuo um acesso privilegiado à minha experiência interior.
  • Quando me refiro a experiência interior de outra pessoa, não possuo qualquer acesso direto ou imediato. A única coisa que tenho acesso é ao seu comportamento.
  • As proposições sobre as experiências interiores não possuem uma relação logicamente necessária com proposições acerca do comportamento, ou seja, não são considerações de caráter lógico ou analítico que justificam a dedução da existência de uma determinada experiência anterior a partir da observação de um comportamento específico.
  • A relação entre a experiência interior e o comportamento é estabelecida com base nas leis empíricas.

As motivações

O Behaviorismo filosófico possui diversas motivações, entre elas podemos citar: a fundamentação de uma psicologia experimental objetiva, a superação do dualismo tradicional sobre a mente, dissolver problemas filosóficos através da acusação de pseudoproblemas, entre outras.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *