Fiordes

Fiordes são estruturas denominadas vales rochosos que encontram-se inundados pelo mar. Essas formações surgem no litoral de países que, de uma forma geral, são vizinhos aos polos sul e norte, e podem ultrapassar a dimensão de 350 quilômetros, além de mais de mil metros de altura.

O nome vem do norueguês, onde fiorde significa algo semelhante à “porto seguro”, devido a paisagem maravilhosa e as águas calmas dos locais que, além de favorecerem a pescaria, são excelentes para a ancoragem dos barcos.

Fiordes

Como se desenvolveram os fiordes?

As estruturas, segundo pesquisas, foram criadas devido à ação do gelo durante as idades glaciais nos últimos 3 milhões de anos. Com a queda da temperatura da Terra, as geleiras expandiam-se ao mesmo tempo em que o nível médio dos oceanos baixava.

As superfícies terrestres mais quentes foram atingidas por mantos de gelo com um tamanho superior a 1 milhão de quilômetros quadrados formando escavações com um tamanho imenso.

Esse processo chama-se erosão glacial, e teve como resultado a formação de vales estreitos com paredões íngremes que, posteriormente, com a alta das temperaturas da terra que fizeram com que o gelo derretesse, foram inundados com o aumento do nível das águas dos mares.

Os maiores fiordes

Essas estruturas possuem dimensões incríveis que podem ultrapassar os 350 quilômetros de comprimento e ainda possuem uma parte submersa de aproximadamente 1500 metros.

Na costa norte do Pacífico, na América do Norte, na costa sul do Chile e nas costas ocidentais da Noruega encontram-se os maiores fiordes existentes no mundo.

A Noruega é um país que apresenta montanhas desgastadas, cachoeiras e muita neve, além da presença de fiordes por todo o seu território. O mais profundo deles, no país, recebe o nome de Fiorde de Sogn com uma profundidade de 1308 metros e mais de 200 km de extensão.

Fiordes no Brasil

O Brasil possui um fiorde, apesar de ser mais frequente em outras regiões, conhecido como Saco do Mamanguá. Localizado em Paraty, no estado do Rio de Janeiro, este possui montanhas altas em seus dois lados, além de um manguezal que é cortado por muitos rios de água doce.

Muito preservada e de difícil acesso, a região possui duas unidades de conservação: Área de Proteção Ambiental e Reserva Ecológica de Juatinga. Considerado um fiorde tropical, o acesso é difícil e pode ser feito somente por meio de barco, gastando cerca de 40 minutos a partir de Paraty-Mirim.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *