Arquivo da categoria: Literatura

Belle Époque

A expressão Belle Époque, que significa bela época quando traduzida do francês, foi um período que designava o clima intelectual e artístico de um determinado período. Apesar de não ser demarcada rigorosamente no tempo, acredita-se que a Belle Époque é um período que, normalmente, é compreendido como um momento da trajetória da história da França com início ao final do século XIX e fim na eclosão da Primeira Guerra Mundial. Diz-se que não pode ser demarcada no tempo, pois é mais um estado espiritual do que alto concreto.

Belle Époque
Foto: Reprodução

Características

A época conhecida pelo nome de Belle Époque foi marcada por um florescimento do belo, pelas transformações e pelo avanço de paz entre o território francês e os países europeus próximos. Durante este período, houve não apenas a paz a as transformações, mas também novas descobertas tecnológicas que influenciaram inclusive o cenário cultural quando apareceram os cabarés, o cancan e o cinema. Nasce o impressionismo e a Art Noveau trazendo ainda mais novidades para o cenário artístico.

O progresso

Durante este período foram inventadas inovações como o telefone, o cinema, o avião, o automóvel, o telégrafo sem fio e muitas outras que acabaram influenciando e inspirando novas percepções da realidade. Paris, a Cidade Luz, possuía muitos cafés, balés, óperas, livrarias, teatros, boulevards e alta costura e, por isso, era considerada como o centro de produção e exportação da cultura mundial.

Arte e literatura

A corrente artística comum deste período era a Art Noveau, que valorizava os ornamentos cores vivas e curvas sinuosas, sendo uma arte essencialmente decorativa. Suas principais obras são fachadas de edifícios, objetos de decoração como móveis, portões e joias, por exemplo. Na literatura, este movimento influenciou trazendo obras que voltavam-se para as épocas “áureas” de cada país. Havia ainda um desejo de libertação do antigo e uma procura pelo novo.

A arte viveu ainda, com o desenvolvimento das comunicações e da eletricidade, a cultura do divertimento. Por meio dos cabarés, essa cultura acabou ganhando um status social. O parque de diversão e o cinema foram desenvolvidos na indústria do divertimento devido à diminuição da jornada de trabalho e o desenvolvimento da eletricidade. Dessa forma, com ingressos baratos e um desprendimento momentâneo da realidade, esses tornaram-se ferramentas de divertimento em massa.

Belle Époque no Brasil

O Brasil durante o período da Belle Époque teve uma profunda ligação com a França, pois os membros da elite brasileira frequentavam Paris ao menos uma vez por ano para ficar por dentro de todas as inovações. A duração deste período no Brasil difere dos outros países, assim como o avanço tecnológico que aconteceu em duas das regiões mais prósperas do país que são a cafeeira, em São Paulo e a do ciclo da borracha, na Amazônia.

Sonetos

Chamamos de sonetos, do italiano sonetto – que significa pequena canção, ou ainda pequeno som – os poemas que possuem uma composição elaborada de forma fixa. Estes possuem 14 versos, e tem origem atribuída aos poetas da Sicília, ou da Provença.

Sonetos
Foto: Reprodução

História

Acredita-se que foi criado no começo do século XII na Sicília para ser cantado na corte de Frederico II Hohenstaufen por Jacopo da Lentini, poeta siciliano e imperial. A letra era escrita para música possuindo uma oitava e dois tercetos com melodias diferentes.

Existem, no entanto, fontes que relacionam a invenção dos sonetos a outros poetas provençais, mas é de comum acordo que sua difusão se deu por meio dos poetas italianos. Durante muito tempo o número de linhas e a disposição das rimas permaneceu variável. Foi com o poeta Guittone d’Arezzo que isso mudou: ele foi o primeiro poeta a adotar e aderir ao soneto, que foi reconhecido como a melhor forma de expressão de uma emoção isolada, pensamento ou ideia.

A estrutura foi aperfeiçoada por Francesco Petrarca, mesmo poeta responsável pela difusão pela Europa em suas viagens. Em seguida, Sá de Miranda estruturou uma nova estética poética em Portugal: foi ele quem introduziu ao soneto a canção, a sextina, as composições em tercetos e em oitavas, assim como os decassílabos.

Willian Sheakespeare, posteriormente, desenvolveu o soneto inglês com uma composição diferente: três quartetos e um dístico.

Destaques

Além dos citados anteriormente, temos ainda Luíz Vaz de Camões, destaque na estética de Sá de Miranda que imortalizou o soneto com a temática do amor na língua portuguesa. Além disso, Dante Alighieri, muito famoso por sua obra A Divina Comédia, foi um seguidor de Guittone e desde a infância já compunha sonetos. Seu primeiro trabalho de grande importância foi a união de vários sonetos, chamado Vita Nuova.

Podemos citar ainda outros grandes sonetistas, principalmente da língua portuguesa como Augusto dos Anjos, Cláudio Manuel da Costa, Gregório de Matos Guerra, Cruz e Souza, Luís Vaz de Camões, Vinícius de Moraes, Olavo Bilac, Florbela Espanca, entre muitos outros.

Estrutura e composição

Compostos de forma fixa, os sonetos possuem 14 versos que estão dispostos em 4 estrofes ou estâncias. Estas estrofes são formadas de dois quartetos e dois tercetos. Outra característica importante de sua estrutura, é a presença de uma mesma métrica em todos os catorze versos, ou seja, apresentam o mesmo número de sílabas poéticas. Normalmente, os sonetos são compostos por dez sílabas poéticas em cada verso, mas existem ainda os dodecassílabos, também conhecidos como alexandrinos, que apresentam versos com 12 sílabas poéticas.

Existem três formas principais de posicionamento das rimas dentro dos sonetos: as rimas entrelaçadas ou opostas com estrutura abba em que o primeiro verso rima com o quarto e o segundo rima com o terceiro; rimas alternadas com estrutura abab em que o primeiro verso rima com o terceiro e o segundo rima com o quarto; e, por último, as rimas emparelhadas com estrutura aabb, em que o primeiro verso rima com o segundo e o terceiro rima com o quarto.

Além disso, existe outro conceito muito importante dentro do estudo dos sonetos: a sonoridade. Isso está diretamente relacionado com o posicionamento das sílabas tônicas que, quando combinadas, fazem com que o soneto assuma uma dinâmica melódica. Diante disso, podem ser classificados em heroico ou sáfico.

Os versos heroicos são os decassílabos que possuem sílabas tônicas nas posições 6 e 10, enquanto os versos sáficos são os decassílabos com sílabas tônicas nas posições 4, 8 e 10.

Art Decó

Art Decó é um movimento artístico que surgiu na Europa na década de 1920, com caráter decorativo, influenciando na arquitetura, design de interiores, desenho industrial, artes visuais, moda, pintura, artes gráficas e até mesmo no cinema. Atingiu os Estados Unidos e outros países apenas na década de 1930.

O movimento de design possuía raízes em intenções ligadas a filosofia e a política, porém, passou um tanto despercebido se tornando uma mudança dentro da decoração, visto de uma forma elegante, funcional e ultramoderno para o seu tempo.

O nome Art Decó é uma abreviação de uma expressão francesa (arts décoratifs), que significa arte decorativa.

Art Decó
Foto: Reprodução

História

Em 1925, em Paris, ocorreu o que podemos chamar de auge da Art Decó, na Exposição Internacional de Artes Decorativas e Industriais Modernas. Em um primeiro momento o movimento da Art Decó era visto como um estilo mais luxuoso, com o uso de materiais como o marfim e a jade, neste período a Art Decó ficou muito ligada aos anseios artísticos da burguesia europeia.

No final da década de 1920 o movimento passou a ganhar força nos Estados Unidos, partindo para o caminho do design industrial, utilizando de novos materiais para a produção em larga escala, e assim invadindo a vida cotidiana da população em geral.

O movimento da Art Decó representou adaptação da sociedade em um modo geral, criando design para edifícios. Esculturas, joias, iluminarias e moveis, todos geometrizados. Neste período o movimento abusava de bases simples, porém, trazendo um ar de modernidade, com concreto (betão), armado e compensado de madeira, e em alguns casos ganhando ornamentos em bronze, mármore e prata.

Características

  • Linhas circulares ou retas estilizadas;
  • O uso exagerado de formas geométricas;
  • Design abstrato;
  • Formas femininas e de animais são muito utilizadas;
  • Influência do futurismo, cubismo e do construtivismo no design;
  • Influência forte na arquitetura.

Art Decó e sua influência no Brasil

O Brasil foi influenciado pelo movimento no final da década de 1920, principalmente em sua arquitetura, várias construções podem ser encontradas com o design Art Decó, como por exemplo: o Elevador Lacerda em Salvador, o Teatro Carlos Gomes e a Central do Brasil, localizados no Rio de Janeiro, o Viaduto de Chá e o Estádio do Pacaembu, em São Paulo.

Um dos nomes mais importantes dentro do Modernismo no Brasil, foi o do escultor Victor Brecheret, sendo o artista que mais recebeu influência da Art Decó.

Artistas importantes no mundo

  • Ernst Ludwig Kirchner – pintor alemão;
  • Fritz Bleyl – designer alemão;
  • Sonia Delaunay – estilista francesa;
  • René Lalique – escultor francês;
  • William Van Alen – arquiteto norte americano.

Prosa medieval

A prosa medieval ocorreu na Idade Média, nos séculos XII a XIV, feita sob a encomenda de nobres ou de religiosos. A prosa medieval é um ciclo de histórias, de um modo geral sobre cavalaria, que dominavam o período medieval, sendo destinadas à diversão.

Em alguns registros encontramos um perfil religioso, em outros, um perfil histórico e genealógico, apresentando narrativas, em subdivisões e categorias específicas, tais como hagiografias, cronicões, livros de linhagem ou nobiliários e novelas de cavalaria.

Prosa medieval
Foto: Reprodução

Hagiografias

Relatam da vida de santos, tendo como objetivo moralizar e exemplificar, desta forma tais intenções foram produzidas dentro dos mosteiros. Muitas destas obras foram escritas em latim. Hagiografia é um tipo de biografia, descrição da vida, dentro do hagiológio (estudo da vida de santos, no cristianismo).

Cronicões

Uma ordenação cronológica de fatos históricos. Uma das primeiras tentativas medievais de prosa literária, sob a forma de relatos historiográficos, como por exemplo, a Crônica Breve do Arquivo Nacional e as Crônicas de Santa Cruz de Coimbra, embora ainda sem crítica objetiva, os cronicões forneciam conhecimentos dos costumes da época e uma visão dos principais fatos da história dos primeiros reis.

Livros de linguagem ou nobiliários

São compilações da linguagem genealógica de famílias nobres, relatando episódios ou feitos de origem lendária, desta forma orientavam a nobreza acerca de possíveis casamentos e relações de amizades, tendo como finalidade defender os privilégios feudais.

Novelas de cavalaria

Eram narrativas sobre os grandes feitos, de guerreiros e aventuras amorosas de cavaleiros medievais. São de autoria desconhecida, feitos de poemas que narravam aventuras heroicas de cavaleiros andantes, presentes na fase do Humanismo e se estenderam até o Renascimento, com o tempo se tornaram leituras mais populares, se estendendo inclusive para outros países.

Foram produzidas em áreas distintas da Europa, contribuindo assim para que fosse subdivididas em três grandes ciclos, sendo eles: O ciclo bretão ou arthuriano, fazendo referência aos feitos do rei Arthur e aos cavaleiros da Távola Redonda; o ciclo carolíngio, fazendo referência ao rei Carlos Magno e aos doze pares de cavaleiros da França; e o ciclo Clássico, tendo como referência a antiguidade grega e romana.

Literatura medieval portuguesa

A literatura deste período tinha como objetivo expressar a simplicidade, a ingenuidade e a passividade do homem medieval, dominado pelo pecado, sempre buscando agradar Deus. Com o passar do tempo (segundo período medieval) existe um rompimento, o homem passa a desenvolver novas formas e acaba saindo definitivamente das “trevas medievais”.