Meiose

O processo de divisão celular em que uma célula diploide (2n) que forma quatro células haploides (n) é denominado meiose. Ela consiste em dois processos de divisões celulares que são acompanhadas por uma duplicação cromossômica.

Trata-se de uma reprodução assexuada simples e direta que produz organismos geneticamente iguais. É caracterizada por uma redução do número de cromossomos à metade nas quatro células filhas resultantes.

Fases da meiose

A redução dos cromossomos é resultado de uma única duplicação e duas divisões sucessivas denominadas meiose I e meiose II. Na primeira, reducional, há a redução pela metade do número de cromossomos. Esta é dividida em quatro fases denominadas prófase I, metáfase I, anáfase I e telófase I. A meiose II, por sua vez, é equacional, pois o número de cromossomos das células que sofrem a divisão igual nas células originárias. Nessa etapa, as fases também são quatro denominadas prófase II, anáfase II, metáfase II e telófase II.

Meiose I

Prófase I

Essa fase é longa e complexa, e por isso é subdividida em outras 5. A primeira é o leptóteno, quando acontece a condensação dos cromossomos duplicados na interfase. A segunda, é o zigóteno, quando os cromossomos homólogos que foram duplicados e condensados se emparelham ao longo do comprimento. Em seguida, tem a terceira fase, que é o paquíteno, quando os pares pareados se completam e encontram-se espessos, uma vez que os filamentos estão muito condensados.

A quarta fase é conhecida como permutação ou crossing-over, onde acontece a quebra de cromátides homólogas e começa a troca dos pedaços e a ressoldagem da parte trocada. É essa fase que permite a variabilidade genética. Por fim, a quinta fase, conhecida como diplóteno, que é quando os cromossomos homólogos começam a separar-se, mas ainda permanecem unidos nos pontos das cromátides de permutação.

A prófase I chega ao fim com a condensação máxima dos cromossomos e o seu deslocamento em direção aos extremos do citoplasma.

Metáfase I

Na metáfase I, acontece uma desintegração da membrana nuclear, e acontece a disposição dos pares de cromossomos homólogos mantidos pelos quiasmas na região equatorial da célula. Isso faz com que os homólogos de cada um dos pares fique voltado para polos opostos na célula.

Anáfase I

Nesta etapa acontece o deslocamento dos cromossomos homólogos para os polos opostos das células. As cromátides irmãs, neste caso, ao contrário da mitose, não se separam, mas sim os cromossomos homólogos.

Telófase I

Os cromossomos duplicados começam a chegar ao polo, e com isso tem início essa etapa. Eles começam a descondensar e os nucléolos e a carioteca reaparecem. Tem início então a divisão do citoplasma que origina duas células filhas – haploides -, chamada de citocinese.

Intercinese

A intercinese é o intervalo que existe entre as duas divisões da meiose e é curto.

Meiose
Foto: Reprodução

Meiose II

Prófase II

A prófase II tem início na condensação dos cromossomos, além de haver ainda o desaparecimento dos nucléolos e migração dos centros celulares para os polos opostos da célula. Essa etapa é marcada pela desintegração da carioteca e, além disso, os cromossomos encontram-se espalhados no citoplasma.

Metáfase II

Nesta etapa acontece a organização dos cromossomos unidos pelo centrômero no polo equatorial da célula. As cromátides voltam para os polos opostos da célula e acontece ainda a divisão do centrômero e separação das cromátides irmãs.

Anáfase II

As cromátides irmãs são puxadas para os polos opostos da célula.

Telófase II

É a fase de conclusão da segunda divisão. Nesta, os cromossomos se descondensam e acontece o reaparecimento dos nucléolos e a reintegração da carioteca. O citoplasma, enfim, se divide, resultando finalmente nas quatro células-filhas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *