Tradução gênica

Entre tantos processos essenciais que ocorrem em nosso organismo, um deles é classificado como tradução gênica. Esta se dá por meio da união de aminoácidos segundo a ordem de códons do RNA mensageiro.

Cada códon constitui uma trinca de bases nitrogenadas do mRNA, cuja trinca adicional, o anticódon, está localizada no RNA transportador correspondente.

Tradução gênica

Conceito

Devido a sequência do mRNA ser deliberada pelo gene, a ordem de bases nitrogenadas do DNA, o fator que representa a tradução da informação genética é a síntese de proteína, chamada assim de tradução gênica.

Uma quantidade superior a 50 polipeptídeos e entre três e cinco moléculas de RNA em cada ribossomo participam da tradução gênica. Além, claro, de ao menos 20 enzimas acionadoras de aminoácidos, de 40 a 60 moléculas distintas de RNA transportador e diversas e solúveis proteínas que participam desde o início até a conclusão da tradução.

Processo

Os ribossomos localizados no citoplasma são o espaço onde ocorre esse processo. O mRNA é traduzido em proteína através da atividade de uma diversidade de moléculas de tRNA, própria para cada aminoácido.

Seguindo as determinações do código genético, a ordem de nucleotídeos de uma molécula de mRNA é convertida na ordem adequada de aminoácidos. Mesmo com 64 trincas existentes de nucleotídeo, somente 61 criptografam a formação de aminoácidos, pois três representam a ordem de conclusão da tradução.

A associação de um ribossomo é o fator responsável pelo ponto de partida da tradução gênica, em que um mRNA e um tRNA transportam o aminoácido metionina, que se unem ao sítio P do ribossomo.

O anticódon correspondente a esse tRNA e seu códon no mRNA são UAC e AUG, respectivamente. Esta trinca é a que corresponde ao códon de iniciação e, um posterior tRNA, se une ao ribossomo no sítio A.

O ribossomo somente catalisa a união dos aminoácidos de seus tRNAs, depois que os dois primeiros tRNAs se enquadram nos sítios P e A. Depois disso há o deslocamento pela molécula de mRNA, este que configura uma trinca de bases.

Ao passo que o ribossomo se locomove, os sítios são preenchidos por novos tRNAs, cada um com seus aminoácidos correspondentes ao mRNA. Imediatamente após, as uniões entre os aminoácidos são sintetizadas, para assim seguirem a ordem para a conclusão da tradução.

O processo é concluído quando um códon final se encontra em igual fita de mRNA em processo de tradução, cujos códons são UGA, UAA ou UAG. Ao final, o polipeptídeo é dispensado do ribossomo. Assim, o início de uma nova síntese de outra proteína já é possível. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *